Por que as mulheres se afastaram da ciência da computação

Há um tempo atrás as mulheres eram líderes em ciência da computação. Por que atualmente as mulheres se afastaram dessa área? A partir de 1984 a representação feminina no campo da tecnologia caiu significativamente.

Leia mais: 10 mulheres fundamentais na história da tecnologia

Antes da popularização dos computadores pessoais, as mulheres eram muito inseridas na área de computação, os anos entre 1970 e 1984. Em 1984, ocorre uma mudança drástica: cerca de 37% dos cargos em computação eram ocupados por mulheres, em 2011, apenas 12 %.

Os pesquisadores Caitlin Kenney e Steve Henn buscaram resolver o mistério em torno da diminuição feminina na area de ciência da computação.  Para eles, os responsáveis por isso ainda são os estereótipos de gênero, em relacao ao brinquedos infantis e seu marketing. No início da década de 1980 começou a nascer a ideia de que computadores são itens masculinos, sendo os primeiros computadores pessoais comercializados para esse publico.

Leia mais: PHP Orientado a Objetos: tudo que você precisa saber

Com a popularização dos computadores e a geracao de uma cultura geek, toda a midia e marketing passaram a reafirmar o domínio masculino na computação.

Em 1984, entrou no colegio a primeira geração de alunos que poderia ter um computador em casa.

Na época, os pais eram mais propensos a comprar computadores para os meninos do que para as garotas, de forma que quando essa geração chegou a faculdade, os meninos já tinham experiência de programação.

Nos cursos de informatica, as mulheres já começavam em desvantagem em relação aos meninos, gerando um desânimo e muitas desistências femininas.

Leia mais: Mulheres programam melhor 😉

Para mudar este quadro é necessário estimular também nas meninas o interesse por tecnologia, e a ter uma participação mais ativa com a tecnologia, como programar.  Por exemplo, com brinquedos e jogos infantis que introduzam conceitos de eletrônica ou engenharia.

No entanto, uma das atitudes mais eficazes para combater o estereótipo de gênero é inspirar as meninas com histórias de mulheres bem-sucedidas na tecnologia e incentivá-las a escolher carreiras que as interessem, ainda que o mercado diga que são de maioria masculina.

História inspiradora

A cientista da computação Camila Achutti, foi uma das candidatas ao prêmio Claudia 2015.  “Cresci com a certeza de que trabalharia com programação”, diz.

Em 2010, entrou na faculdade de ciência da computação da Universidade de São Paulo, sendo a única mulher. “Fiquei intimidada e voltei para casa achando que aquilo não era lugar para mim.”

Leia mais: Aprenda Java aqui no Mulheres Programando!!

Incentivada pela mãe, insistiu e encontrou a foto da primeira turma do curso, formada em 1971, onde 70% das alunas eram mulheres.

Intrigada, Achutti pesquisou e chegou a conclusões plausíveis para tal disparidade. Antigamente, computadores eram utilizados apenas nas universidades ou nos escritórios modernos para facilitar o trabalho das secretárias – postos geralmente ocupados por mulheres.

Alem disso, as mulheres não eram responsáveis pelo sustento da família e se arriscavam nas profissões não consolidadas.

Motivada a mudar essa realidade, fundou o blog Mulheres na Computação para lutar pela igualdade de gênero na computação.

Fonte/ adaptado de: https://claudia.abril.com.br/sua-vida/por-que-as-mulheres-foram-afastadas-da-area-de-ciencia-da-computacao-nas-ultimas-decadas/